quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Quarto 303







Era uma noite de verão em Salvador. Fazia muito calor no meu quarto e então resolvi me refrescar na piscina do hotel. Estava na cidade há uma semana para visitar algumas filiais da empresa que trabalho e ainda não tinha conhecido ninguém pra bater um papo ou tomar um drink. A piscina estava completamente vazia e a iluminação da área externa estava muito ruim. Pensei em reclamar, mas depois resolvi ficar na penumbra. Mergulhei e nadei até o outro lado da piscina e fiquei recostada próxima a escada. Fiquei ali pensativa por alguns minutos. Aproveitei que estava sozinha e tirei a parte de baixo do meu biquíni. Deixei-o amarrado na escadinha e continuei nadando de um lado para o outro. Aquele balançar da água me excitou de uma forma que não consegui me conter. Tirei também a parte de cima do biquíni e encostada na borda da piscina comecei a acariciar meus seios que estavam completamente arrebitados. Minha mão direita deslizou em direção a minha buceta e comecei a brincar com meu clitóris. Ele estava durinho e latejava entre meus dedos de tanto tesão. Eu estava completamente excitada e louca pra gozar. Comecei a notar que estava sendo observada, mas não quis sair dalí e nem quis interromper o prazer que eu estava me proporcionando. Continuei aquela brincadeira gostosa e arriscada e estava gemendo bem baixinho quando notei a presença de uma bela moça vestida com um roupão branco se aproximando da beira da piscina. Fiquei um tanto tímida, mas ela se abaixou ao meu lado e disse: “continua, não fique tímida com a minha presença.” Ela era alta, tinha cabelos curtos e ruivos, uma pele bem clarinha e uma voz bem gostosa. Continuei fazendo exatamente a mesma coisa e a cada segundo eu ficava mais excitada e aumentava os meus gemidos. Notei que ela estava vestida somente com aquele roupão branco. Sem me perguntar, ela tirou o roupão, deixou na borda da piscina e mergulhou. Eu enlouqueci completamente quando ela se aproximou. Fui imobilizada e recostada na borda da piscina. Ela começou a beijar meu pescoço e foi em direção a minha boca, que estava sedenta por um beijo. O beijo dela me tirou completamente de órbita e me deixou completamente sem noção de tempo e espaço. Eu só enxergava aquela mulher linda de seios fartos em minha frente. Comecei a passar a ponta da minha língua nos seios dela e deixei-os completamente arrepiados de excitação. Com os dedos, ela brincava com meu clitóris que estava a ponto de explodir de tanto tesão. Estávamos completamente loucas e ela dizia a todo momento em meu ouvido que queria me chupar. Ela me segurou firme pela cintura, me levantou e me pôs sentada na borda da piscina com as pernas completamente abertas. Aquela língua quente e dura roçando em meu clitóris me fez gozar loucamente. Ela me chupava com muita sede e me fazia gozar instantaneamente. Só de lembrar eu fico completamente molhada.
Naquele fim de noite ela me fez gozar inúmeras vezes. Desejei tocá-la, mas ela não deixava. Num determinado momento e sem explicação, ela levantou-se. Perguntei o seu nome e ela sorriu deliciosamente e balançou a cabeça. Ela apenas sussurrou em meu ouvido o número do seu quarto, vestiu o roupão e saiu.
Continuei ali na piscina pensativa e logo vesti meu biquíni novamente. Eu ainda estava me recuperando de toda aquela loucura que tinha acabado de cometer. Ainda estava confusa, sem conseguir separar o real da fantasia. Tinha sido um sonho? Uma historinha que tinha criando enquanto me masturbava? Um número veio em minha mente, então lembrei da voz em meu ouvido sussurrando: “quarto 303”. Fui até o meu quarto, tomei um banho, perfumei todo o meu corpo e vesti apenas um lindo tubinho vermelho.
Tomei coragem e fui até o quarto 303. Respirei fundo antes de bater na porta. Aquela linda mulher me atendeu... Não era delírio, ela existia! Ela estava apenas de calcinha e segurando uma garrafa de vinho tinto. Ela sorriu e disse: “que bom que você veio!... quer?” Foi logo me oferecendo vinho que bebia diretamente na garrafa. Tomei um gole e ela subitamente tomou a garrafa da minha mão, colocou a mão na minha nuca e violentamente segurou em meus cabelos me beijando. Me jogou em cima da cama e tirou meu vestido. Ficou louca quando viu que eu estava sem calcinha. Foi até o banheiro e voltou de lá com um console enorme preso em sua cintura. Ela sorriu e disse: “te assusto assim?”. Ela nem me deixou responder. Eu estava de pernas abertas deitada na beirada da cama. Ela começou a me penetrar bem devagar. Eu estava adorando e pedia pra ela meter como mais força. Ela me colocou de quatro e sem nenhuma piedade enfiou aquele pau em minha buceta e me fudeu loucamente. Nunca tinha sido penetrada daquela forma. Senti um arrepio em todo meu corpo, eu gritava de dor e prazer, rebolava toda empinada e pedia pra ela me fuder como macho. Ahh, gozei como nunca. Ela me beijou e ordenou que a chupasse. Pedi que ela sentasse num banco alto, fiquei de joelhos em sua frente e delicadamente abri suas pernas e observei todos os detalhes daquela buceta deliciosa que estava desejando sentir o calor da minha língua. Acariciei seu clitóris e antes que ela fizesse ou dissesse qualquer coisa enfiei dois dedos naquela buceta molhada. Seu sexo exalava um cheiro muito forte de tesão. Tomei um gole de vinho deslizei a ponta da minha língua naquele clitóris durinho e quente que latejava. Ela gemia e me dizia coisas obscenas que me estimulavam a chupá-la com mais força. Ela estava completamente descontrolada e explodindo de tanto tesão. Todo o seu corpo estremeceu e ela gozou na minha boca me inundando de prazer.
Alí estávamos mais uma vez entrelaçadas por todos os nossos poros, sentindo mais uma vez os nossos gostos, misturando ainda mais os nossos suores e emitindo os nossos gemidos de prazer latente.
Aquela noite terminou assim. Nunca mais a vi em lugar nenhum, mas todos os orgasmos e carícias continuam entranhados em meu corpo.

08.04.2011





*Imagem retirada do site: http://napontadosdedos.wordpress.com/




2 comentários: